Em qual monte estamos?

Pastoral - publicada em 29/06/2013

EM QUAL MONTE ESTAMOS?

Hebreus 12:18-24 descreve o contraste entre a vida religiosa antes e depois de Jesus. Entender em qual monte estamos é fundamental para a qualidade da mensagem que anunciamos.
O sinai se revelava como contra ponto entre a santidade de Deus e a pecaminosidade da terra. Sim! Não era só homem que não podia tocar no monte "no momento de Deus", mas, até um pobre animal seria morto se assim fizesse. A terra e seus habitantes não suportam Deus e Sua Presença Gloriosa.
Então, Jesus instituiu "Sião". Não o geográfico e, sim, o Espiritual. Alias, é bom entendermos que O Senhor deu a lei e em Jesus a cumpriu. Determinou o sacrifício e em Jesus fez o último e definitivo. Determinou O Santo dos Santos com seu Véu Divisor e em Jesus o rasgou de alto a baixo. Permitiu que O Templo fosse destruído, mas, em Jesus O ergueu eternamente.
Chegar `a Sião, agora, quer dizer que alcançamos a plenitude da Graça e do Amor divino.
Não há como pregar ameaças e "nem" lançar pedras contra homens. Não há mais trovões e raios ameaçadores. E, a não ser nas mentes turbadas, doentes, orgulhosas e influenciáveis, já não há mais visões aterradoras.
Reverência, piedade e agradavelmente dão o tom de como devemos servir a Deus vs.28.
Quanto ao mundo e ao religiosos em geral a advertência vem do próprio Céu. Jesus não veio condenar os que não O aceitaram. Ele veio salvar os que estão( ou estarão) irremediavelmente condenados juntamente com todas as coisas que não podem permanecer.
"Essa não é, de modo algum, a experiência de vocês. Vocês chegaram ao Monte Sião, a cidade onde O Deus vivo reside... É a cidade onde deus é o juiz e na qual seus julgamentos nos tornam justos.
Vocês chegaram a Jesus, que apresentou uma nova aliança, um nova alvará concedido por Deus. Ele é o Mediador desta aliança. A morte de Jesus não foi como a como a de Abel, um assassinato que clama por vingança. Em vez disso, se tornou uma proclamação da Graça.
Portanto, não tapemos ouvidos para essas palavras tão agradáveis. Se os que ignoram as advertências terrenas não escaparam, o que nos acontecerá se virarmos as costas para advertências do Céu? A voz de Deus, naquela ocasião, sacudiu a terra até os fundamentos. Desta vez, Ele foi bem claro, vai sacudir os céus também: "Um último abalo, muito violento e devastador, de cima para baixo". Uma limpeza completa, elimina todo lixo religioso e histórico e traz `a tona a essência inabalável e limpa, sem mistura alguma." Bíblia A Mensagem.

Pr. Paulo Cilas