Não havia lugar

Programação - publicada em 05/11/2017

A letra do hino de autoria de E. Grace Updegraff diz assim:

Não teve um palácio no mundo o Senhor,
Nem honras lhe deram de Rei Salvador;
Mas a manjedoura só pode encontrar;
Porque não havia mais outro lugar.

Esta é a primeira estrofe que contradiz o que, por muito tempo, pensava ou fui levado a pensar. Sempre tive a ideia que José e Maria, pronta a dar à luz Jesus, eram rejeitados nos lugares em que chegavam. Ninguém queria hospedá-los e ponto. Simples assim: Jesus nasce numa manjedoura porque foi rejeitado pelos donos das estalagens, os hotéis de hoje. Não me lembro de quando tudo se clareou. Não havia rejeição, o que não havia era lugar. São coisas bem distintas, mas igualmente perturbadoras. Ainda hoje, a maioria não rejeita a Jesus, mas também não dá lugar para Ele, e o pior é que se enganam, pois não sendo "culpados" de rejeição, se acomodam sem se importar de não ter a presença do Cristo.
Jesus é chamado de "O Verbo" e sabemos que verbo é a palavra em ação. Logo, receber a Jesus é receber a ação de Deus, é uma Palavra Viva que nos levanta quando caídos, nos perdoa quando em pecado, nos consola quando aflitos, nos dá esperança quando todas as expectativas se vão. E, principalmente, nos projeta para a vida quando sem Ele o que nos espera é só a morte. Não receber a Jesus é ficar sem todas essas ações do Verbo Vivo.
Lamentavelmente, que até mesmo a igreja tem deixado Jesus do lado de fora de seus muros e suas paredes, como é o caso da Igreja de Laodicéia. Nem fria nem quente, que se acha rica e abastada, autossuficiente em si mesma. Mas não consegue enxergar a sua própria miséria.
Principalmente nos dias de hoje, enxergamos muitas igrejas que pensam (ou não pensam) terem se tornado maior que seu Senhor, e em nome de novos ritos e revelações desprezam a simplicidade do Senhor da Igreja.
De uns anos para cá, muitos aboliram a comemoração do Natal, em nome de uma "espiritualidade radical", abandonando a alegria em torno de uma mesa, como Jesus faria. Ou de um presente a uma criança carente. Sem contar a oportunidade de falar a muitos que nasceu o Redentor. Apegam-se a datas (sabemos que Jesus não nasceu nessa data, 25 dezembro), mas para nós não importa. O que importa é que Ele nasceu, o Verbo se fez carne e purifica aquilo que tínhamos por impuro .
Se o "mundo" está ocupado demais para dar lugar a que Ele tenha lugar nas igrejas. Jesus está à porta dessas Igrejas, batendo, esperando que alguém a abra e Ele possa cear com eles. E o mundo ganhará mais uma chance de conhecê-Lo e também recebê-Lo.
O hino citado acima diz assim em seu coro:
" Não há lugar pra Cristo em Tua vida ou lar?
Terás então que ouvir dizer: No céu não tens lugar".

Pr. Paulo Cilas